Surrealismo surgiu na década de 1920 em Paris, vindo a fazer parte das vanguardas modernistas. Esse movimento tinha como característica principal, enfatizar o papel do inconsciente na criação artística e criativa.

O grupo contava com artistas de diversos segmentos, bem como poetas, escritores e atores teatrais. O poeta André Breton foi o principal mentor deste movimento e autor do Manifesto Surrealista (1924), onde os princípios surrealistas são declarados, tais como a isenção da lógica e a adoção de uma realidade superior.

No caso da pintura, as obras incorporavam elementos desconexos, formas abstratas e ideias irreais, visando libertar-se da lógica e da razão. O mundo lúdico criado nas pinturas visava contrariar a arte racionalista e trazer a subversão para a criação.

Conheça um pouco sobre os mais importantes pintores desse movimento de grande importância para a história da arte – e do design – mundial.

1. Salvador Dali

Salvador Dali

Salvador Dali nasceu em 1904 na região da Catalunha, Espanha e é o simbolo máximo da pintura surrealista mundial. Seu estilo alternativo de se vestir e aparecer em público sempre chamou a atenção, vindo a fazer dele um ícone pop da arte moderna.

Dalí produziu mais de 1500 quadros ao longo da sua carreira, além de ilustrações para livros, litografias, materiais para o teatro, desenhos, esculturas e outros projetos.

Faleceu recentemente, em 1989, aos 84 anos de idade.

Trabalho mais conhecido de Salvador Dali – “A Persistência da Memória” (1931)

Salvador Dalí – “A Tentação de Santo Antônio” 1946

2. Joan Miró

Joan Miró

Joan Miró foi um escultor, pintor, gravurista e ceramista surrealista nascido em 1893 na Catalunha, assim como Dalí. Viveu por um tempo em Paris, onde teve contato com tendências modernistas como fauvismo e dadaísmo.

Na década de 1920, conheceu vários artistas surrealistas como o próprio fundador do movimento André Breton. Passou a adotar uma estética mais lúdica, cujos símbolos remetiam a fantasias. Miró participou da primeira exposição surrealista, em 1925. Veio a falecer em 1983.

Joan Miró – “Personnage Oiseaux” (1972 – 1978)

Joan Miró – “Interiores Holandeses” (1928)

3. Max Ernst

Max Ernst

Max Ernst foi um pintor e poeta alemão que se naturalizou norte-americano e depois francês. Foi viver na França em 1922, onde conheceu André Breton e ingressou no movimento surrealista. Breton dizia que Ernst era o “mais magnífico cérebro assombrado” do mundo das artes, pois ele dominava como poucos o conceito do Surrealismo.

Ernst fugiu para os Estados Unidos durante a segunda guerra e só voltou a França em 1948, naturalizando-se francês. Morreu em 1976 na França.

Max Ernst – “A bela estação” (1925)

Max Ernst – “Cidade com animais” (1919)

4. René Magritte

René Magritte

René Magritte nasceu na Bélgica no ano de 1898. Trabalhou como designer de cartazes e anúncios até que em 1926, assinou um contrato com a Galerie la Centaure, em Bruxelas e fez da pintura sua principal atividade.

Mudou-se para Paris em 1927, onde começou a participar das atividades do grupo surrealista, tornando-se um dos mais expressivos nomes do movimento.

Magritte veio a falecer em 1967 por conta de um câncer.

René Magritte – “A Queda” (1953)

René Magritte – “O Filho do Homem” (1964)

5. Paul Delvaux

Paul Delvaux foi um pintor belga nascido em 1897. Estudou na Academia de Belas Artes de Bruxelas, onde posteriormente veio a ser professor. Seu estilo de pintura era mais acadêmico, porém com temáticas oníricas e pessoais.

Devido à perda progressiva da visão, Paul Delvaux deixou de pintar a partir de 1986, e sua última grande exposição aconteceu em Paris no ano de 1992. Faleceu em 20 de julho de 1994, aos 96 anos.

Paul Delvaux – “A Aurora” (1937)

Paul Delvaux – “Pigmaleão” (1939)

6. Remedios Varo

Remedios Varo

Remedios Varo Uranga (1908) foi uma pintora surrealista nascida em Anglés Cataluña, Espanha.

Durante a Guerra Civil Espanhola, Remedios mudou-se para Paris onde foi grandemente influenciada pelo movimento surrealista. Foi forçada a exilar-se da capital francesa durante a ocupação nazista da França e mudou-se para a Cidade do México em 1941. Embora o México fosse considerado como um refúgio temporário, ela acabou ficando por lá até a data de sua morte, em 1963.

Remedios Varo – “Olhos sobre a Mesa” (1938)

Remedios Varo – “Jardim do amor” (1951)

7. Frida Kahlo

Frida Kahlo

Nascida no México em 1907, Frida Kahlo começou na arte meio que por acaso. Filha de imigrantes alemães, seu pai pintava por hobbie, quando ela sofreu um acidente que a aproximou da pintura, inicialmente como passatempo.

Viveu uma vida sofrida por conta de problemas de saúde e familiares. Quando André Breton qualificou sua obra de surrealista em um ensaio que escreveu para uma exposição de Frida em Nova Iorque, ela mesma declarou mais tarde: “Pensavam que eu era uma surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade”.

Frida faleceu em julho de 1954, aos 47 anos.

Frida Kahlo – “O Veado Ferido” – 1946

Frida Kahlo – “As Duas Fridas” – 1939

 8. Leonor Fini

Leonor Fini

Nascida na Argentina em 1908, Leonor Fini se mudou com a mãe para a Itália com apenas um ano de idade, onde passou a adolescência antes de se mudar para Paris, cidade na qual ela passou a maior parte de sua vida.

Trabalhou como pintora, além de figurinista, designer, cenógrafa e escritora. Diz-se que Leonir foi a única artista a pintar mulheres sem desculpas, já que muitas de suas pinturas apresentam mulheres empoderadas em situações provocativas.

Leonor faleceu em janeiro de 1996, em Paris.

Leonor Fini – “L’Entracte de l’Apotéose” – 1935

Leonor Fini – “Deux Figures Grotesques” – 1932

9. Alberto Giacometti

Alberto Giacometti

Alberto Giacometti foi um grande pintor e escultor suíço fortemente influenciado pelo modernismo, tendo em seu currículo obras fundamentais para a caracterização da escultura surrealista. A figura humana é protagonista em suas obras, sempre de maneira expressiva e existencialista.

Alberto faleceu em janeiro de 1966, aos 64 anos de idade.

Alberto Giacometti – “Dança da Primavera” – 1922

10. Vito Campanella

Vito Campanella

Vito Campanella foi um pintor italiano muito importante para a pintura surrealista. Viveu em diversas cidades como Conversano, Florença e Milão, participando de vários movimentos artísticos locais. Transitando pôr diferentes “ismos”, Vito encontrou no surrealismo sua melhor forma de expressão.

Mudou-se para a Argentina com a sua família em 1956, onde começa a colher inspiração na cultura latino-americana, sempre mantendo contato com os salões europeus.

Morreu em 2014, na cidade de Buenos Aires aos 82 anos.


Esse foi um breve resumo sobre dez grandes nomes da pintura surrealista. Vale a pena pesquisar e conhecer um pouco mais da história de cada um dos artistas e do movimento surrealista como um todo.

Veja também:

Quais são os 11 tipos de arte?

A evolução dos autorretratos de Picasso